Pedir ajuda aos universitários, pode?

Em tempos de Facebook, Twitter, Whats, cooperação, coletividade, colaboração e outras palavras bonitas e “da moda” nem sempre pedir ajuda aos universitários (como diria o Silvio Santos) é uma boa ideia.

Esta semana em um grupo de discussão que participo alguém mandou uma mensagem pedindo ajuda para escolher o nome da sua startup, aparentemente nada de mais, certo? Mas vale citar que o grupo em questão tem mais de 6.000 pessoas, não tem como saber o caráter de cada um ou quais são suas reais intenções, então pedir ajuda desta forma cria alguns problemas:

  • Você expõe uma lista opções de marcas nas quais você perdeu muito tempo para criar e, eventualmente, alguma delas pode ser “fantástica”: um prato cheio para espertinhos;
  • Demonstra claramente que você ainda não registrou os domínios, então abre uma brecha enorme para cybersquatting;
  • Como é evidente que você não iniciou o uso da marca ainda, um eventual pirata tem certeza de que você não poderá fazer nada contra ele;
  • Pela quantidade de pessoas, você pode fomentar todos os problemas acima, porém, com mais de uma pessoa, um pode piratear alguns domínios, outro mais alguns, outra pessoa pode pedir o registro de alguma das marcas, etc.

Imagine se os criadores do Yahoo tivessem usado uma BBS (similar aos grupos de discussão de hoje) para perguntar sobre o nome? Será que teríamos o Yahoo? E o Google? E o Ebay? Enfim, se você pensar, muitas das marcas que hoje são “sucesso” na internet poderiam ter sido inviabilizadas antes de realmente “nascer”, talvez os seus criadores tivessem desanimado com a pirataria e desistido.

Então, vai a ajuda das cartas:

Nunca peça ajuda aos universitários nesses casos. Senão você corre o risco de perder o seu Milhão! Depois não adianta fazer “beicinho”!

5
  Leia também

Comments

  1. Silvia Zampar  April 12, 2011

    Querido Rudinei, adoro sua lucidez!
    Como vc consegue deixar tudo tão claro, dar conselhos tão simples e faz tudo parecer tão óbvio.
    Ainda ontem eu conversava com o amigo e tbm colunista desse blog Adriano Trenahi, e comentava que a Internet institucionalizou um espaço chamado "terra de ninguém", onde todo mundo se acha dono do que achar publicado aqui.
    Sei que parece um absurdo, mas a Internet transforma todos em piratas, saqueadores de pensamentos e ideias alheias: de pessoas com alta formação a semi analfabetos, de empresas grandes, às menores, todos se acham NO DIREITO de usar quaisquer coisas que acham aqui publicadas.
    O Adriano até me mostrou o caso de uma revista que publicou uma matéria de uma blogueira e ainda disse que essa devia se sentir "lisongeada" da publicação, sem recompensa financeira e disse CLARAMENTE que o que está na internet é "DOMÍNIO PÚBLICO" (http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2010/11/05/revista-usa-texto-de-blogueira-sem-autorizacao-diz-que-web-considerada-de-dominio-publico-922953250.asp).
    Sim, a internet democratizou a informação, mas tbm democratizou o crime e a sensação de impunidade. Democratizou a terra sem dono. Estamos vivendo um velho-oeste e ainda não nos demos conta… Até onde vamos?
    Obrigada pelo excelente texto, Rudinei.

    reply
    • Riccardo Benetti  April 12, 2011

      E complementando Sil, as pessoas têm que aprender a perguntar ou fazer estudos de nomes no seu roll de amigos ou conhecidos mais próximos mesmo para evitar falar algo para o velho e tão conhecido ‘amigo da onça’.

      Muito bom seu texto Rudinei, gostei mesmo.

      reply
    • Rudinei  April 13, 2011

      Silvia,

      Eu não conhecia esse caso, mas a cara-de-pau não me surpreende, eu mesmo já tive (e devo ter ainda) vários artigos meus copiados por concorrentes que simplesmente excluem os créditos da autoria ou colocam os deles.

      Se fossem leigos eu não digo nada, mas peraí! Para o mundo que eu quero descer!!!!

      SÃO PROFISSIONAIS QUE TRABALHAM JUSTAMENTE COM PROPRIEDADE INTELECTUAL, OU SEJA, MARCAS, PATENTES, DIREITO AUTORAL, ETC.

      Nesse caso a cara-de-pau é ao cubo!

      Sempre que descubro algum caso assim eu faço contato, depois notifico, etc. Faço tudo que manda a “cartilha”, mas é difícil controlar tudo que é copiado por ai.

      Eventualmente eu recebo algum SPAM de concorrente usando meus artigos.

      Esse novo mundo online trouxe coisas boas e ruins, o negócio é ficar alerta e prevenir-se! Mas é como gripe, por mais que você se cuide, de vez em quando pega uma.

      reply
      • Silvia Zampar  April 13, 2011

        hahahaha – adorei a parte do "é como gripe" – hahahaha
        Eu tbm tenho muita coisa minha que foi copiada e republicada, sem nunca terem pedido nada.
        Apostilas, das minhas aulas, eu até criei um sistema que impossibilita qlqr um de dar download, pois cansei de ser contatada (por alunos, tirando dúvidas), pq seus professores estavam usando minha apostila, e eles descobriram, fazendo uma busca no Google.
        Oh terra de ninguém!
        Ah! E eu tenho uma sugestão muito boa: eu sempre disse que as leis deveriam ser aplicadas com mais rigor quanto mais conhecimento o criminoso tivesse delas, ou seja: advogado que comete crime receberia a pena em dobro, juiz em quadruplo. Vamos ver se não ia parar com a "putaria" que advogado tem, exatamente por conhecer as brechas na lei.

        reply
  2. Pinho  April 13, 2011

    Parabéns pelo artigo Rudinei.

    Como foi bem dito, muita lucidez e direto ao ponto sem rodeios…. excelente!

    Saudações.

    reply

Add a Comment